E AÍ, DOUTOR? – O MAGNÉSIO


MAGNÉSIO: NÃO É O MINERAL MAIS ABUNDANTE DO ORGANISMO, MAS É O MAIS IMPORTANTE! Você ouve falar sobre cálcio, sódio, ferro, mas não ouve muito sobre o magnésio, sendo que as estimativas apontam que 80% da população é deficiente neste mineral que é o mais importante para o organismo, e as consequências para a saúde [...]
ago 15
0 0

MAGNÉSIO: NÃO É O MINERAL MAIS ABUNDANTE DO ORGANISMO, MAS É O MAIS IMPORTANTE!

Você ouve falar sobre cálcio, sódio, ferro, mas não ouve muito sobre o magnésio, sendo que as estimativas apontam que 80% da população é deficiente neste mineral que é o mais importante para o organismo, e as consequências para a saúde desta deficiência são significativas.
Pesquisadores já detectaram 3.751 locais de ligação de magnésio sobre proteínas humanas, indicando que seu papel na saúde humana e na doença é subestimado.
O magnésio também é encontrado em mais de 300 enzimas diferentes em seu corpo, que são responsáveis ​​por:
Criação de ATP (adenosina trifosfato), as moléculas de energia do seu corpo.
Adequada formação dos ossos e dentes.
Relaxamento dos vasos sanguíneos.
Ação do músculo cardíaco.
Promoção do bom funcionamento dos intestinos.
Regulação dos níveis de açúcar no sangue.
Os benefícios de saúde de magnésio foram bastante subestimados
Uma série de estudos têm mostrado que o magnésio pode beneficiar a sua pressão arterial e ajudar a prevenir a arritmias, infarto e AVC. Um estudo publicado no American Journal of Clinical Nutrition abrangendo mais de 240.000 participantes mostrou que a ingestão de magnésio na dieta está inversamente associada com o risco de acidente vascular cerebral isquêmico (AVC).
Mas seu papel na saúde humana parece ser muito mais complexo do que se pensava, e como a vitamina D seus benefícios podem ser mais abrangentes do que imaginamos. Foram indexados mais de 100 benefícios de saúde de magnésio até agora, incluindo benefícios terapêuticos para:
Fibromialgia
Fibrilação atrial
Diabetes tipo 2
Tensão pré-menstrual
Doença cardiovascular
Enxaqueca
Envelhecimento
Redução da mortalidade

O magnésio também desempenha um papel em processos de desintoxicação do seu corpo e, portanto, é importante para ajudar a prevenir danos causados ​​por substâncias químicas ambientais, metais pesados ​​e outras toxinas. A glutationa, antioxidante mais poderoso do organismo, requer magnésio para a sua síntese.

O Proteoma, ou todo o conjunto de proteínas expressas pelo genoma humano, contém mais de 100.000 estruturas de proteínas distintas, apesar do fato de que há apenas 20.300 genes codificadores de proteínas no genoma humano. A descoberta do “Magnesioma”, como está sendo chamado, adiciona mais complexidade a este quadro, o que indica que a presença ou ausência de níveis adequados deste mineral pode epigeneticamente alterar a expressão e o comportamento das proteínas no nosso corpo, alterando desse modo o curso da saúde e doença.
Sinais de deficiência de magnésio
Não há nenhum teste de laboratório que lhe dará uma leitura verdadeiramente precisa do status de magnésio em seus tecidos. Apenas 1% do magnésio em seu corpo é distribuído no sangue, fazendo com que uma amostra simples de magnésio a partir de um exame de sangue seja altamente imprecisa. Outros exames para avaliar o magnésio incluem um teste de urina de 24 horas, ou um mineralograma capilar. Ainda assim, estes só podem dar-lhe uma estimativa de seus níveis, e os médicos geralmente precisam avaliá-los em conjunto com os sintomas que você exibe.

Uma deficiência de magnésio em curso pode levar a sintomas mais graves, incluindo:
Dormência e formigamento
Contrações musculares e cólicas
Convulsões
Alterações de personalidade
Arritmias cardíacas
Espasmos coronários (angina)

Com isso em mente, alguns sinais precoces que podem indicar uma deficiência de magnésio incluem:
Perda de apetite
Dor de cabeça
Náuseas e vômitos
Fadiga

Como otimizar seus níveis de magnésio
Uma das melhores maneiras de consumir este mineral é através de magnésio ligado organicamente, encontrado em alimentos integrais. A clorofila, que permite que as plantas capturem a energia solar e a convertam em energia metabólica, tem um átomo de magnésio no seu centro. Sem magnésio, na verdade, as plantas não poderiam utilizar a energia solar. A clorofila é a versão da planta da nossa hemoglobina. Vegetais de folhas verdes como espinafre e acelga são excelentes fontes de magnésio, como são alguns feijões, nozes e sementes, como amêndoas, sementes de abóbora, sementes de girassol e gergelim. Abacates são também uma boa fonte.
Mas há outros fatores também, que pode torná-lo mais propenso a deficiência de magnésio, incluindo as doenças listadas abaixo. Se alguma destas condições se aplicar a você, além da dieta rica em alimentos com magnésio você poderá fazer uso de um suplemento de magnésio, a fim de evitar sua deficiência.
Doenças inflamatórias intestinais, que prejudicam a capacidade do organismo de absorver magnésio (doença de Crohn, Retocolite, etc.).
Alcoolismo – até 60% dos alcoólicos têm baixos níveis sanguíneos de magnésio.
Doenças renais, que contribuem para a perda excessiva de magnésio na urina.
Idade – idosos são mais propensos a ser deficientes em magnésio porque a absorção diminui com a idade e os idosos são mais propensos a tomar medicamentos que podem interferir com a absorção.
Diabetes, levando um aumento da perda de magnésio na urina.
Certos medicamentos – diuréticos, antibióticos e medicamentos utilizados para tratar o câncer podem resultar em deficiência de magnésio.

Os alimentos com maiores quantidades de magnésio
Estes alimentos específicos são excepcionalmente ricos em magnésio, e a quantidade de magnésio em miligramas equivale a uma porção de100 gramas do alimento.
Algas, ágar (770 mg)
Especiarias, manjericão (422 mg)
Pimentas, folha coentro (694 mg)
Sementes de abóbora (535 mg)
Cacau em pó (499 mg)
Manjericão (422 mg)
Linhaça (392 mg)
Manteiga de amêndoa (303 mg)
Soro de leite (176 mg)

Diferentes tipos de suplementos de magnésio
Se você precisar de um suplemento, há uma grande variedade de suplementos de magnésio no mercado, mas simplesmente não há um suplemento de magnésio 100%, pois é necessário que ele esteja ligado a uma outra substância que pode afetar a absorção e biodisponibilidade do magnésio, e pode fornecer benefícios diferentes para a saúde:
Cloreto de magnésio / Lactato de magnésio contém apenas 12% de magnésio, mas tem uma melhor absorção do que outras, tais como óxido de magnésio, que contém cinco vezes mais magnésio.
Óxido de magnésio é um tipo não quelado de magnésio, ligado a um ácido orgânico. Contém 60% de magnésio, e tem propriedades de amaciamento de fezes
Sulfato de magnésio / Hidróxido de magnésio (leite de magnésia) são tipicamente usados como laxantes.
Citrato de magnésio é o magnésio com ácido cítrico, que tem propriedades laxativas
Carbonato de magnésio, que tem propriedades anti-ácidas, contém 45% de magnésio.
Glicinato de magnésio é uma forma de magnésio quelado que tende a fornecer os mais altos níveis de absorção e biodisponibilidade, e é geralmente considerada ideal para aqueles que estão tentando corrigir uma deficiência.
Taurato de magnésio contém uma combinação de magnésio e taurina, um aminoácido. Juntos, eles tendem a proporcionar um efeito calmante sobre o corpo e a mente.
Treonato de magnésio é um emergente tipo mais recente, de suplemento de magnésio que parece promissora, principalmente devido à sua superior capacidade para penetrar na membrana mitocondrial, e pode ser o melhor suplemento de magnésio no mercado.
Equilibre o magnésio com cálcio, vitamina K2 e D
Um dos principais benefícios de obter os seus nutrientes a partir de uma dieta variada é que você estará menos propenso a um desequilíbrio de nutrientes. Alimentos em geral contêm todos os cofatores e co-nutrientes necessários nas quantidades adequadas para a saúde ótima. Quando você estiver usando suplementos, você precisa se tornar um pouco mais esclarecido sobre como os nutrientes influenciam e sinergicamente afetam uns aos outros.
Por exemplo, é importante manter o equilíbrio adequado entre magnésio, cálcio, vitamina K2 , e vitamina D. A falta de equilíbrio entre esses nutrientes é um dos motivos que faz com que os suplementos de cálcio estejam associados a um aumento do risco de ataques cardíacos e derrames, e por que algumas pessoas experimentam toxicidade à vitamina D.
Parte da explicação para estes efeitos colaterais adversos é que a vitamina K2 mantém o cálcio no seu lugar apropriado. Então, cuidado ao acrescentar um suplemento de cálcio, pois este pode causar mais problemas do que resolve, acumulando nos lugares errados. Consumindo megadoses de vitamina D, sem quantidades suficientes de vitamina K2 pode levar a sintomas de toxicidade de vitamina D, que inclui calcificação inadequada.
Os índices ideais entre a vitamina D e vitamina K2 ainda não foram estabelecidos, mas a relação mais adequada é que cada 1.000 UI de vitamina D precisam de cerca de 100 microgramas de vitamina K2. As últimas recomendações de dosagem de vitamina D, que exigem cerca de 8.000 UI de vitamina D3 por dia, se você é um adulto, significa que você precisa, no faixa de 800 microgramas (0,8 miligramas) de vitamina K2.
O magnésio pode realmente ser mais importante do que o cálcio na suplementação. No entanto, a manutenção de uma proporção adequada de cálcio-magnésio é importante, sendo que a proporção ideal é 1:1. A dieta ocidental atual, em geral, tem uma maior proporção de cálcio em relação ao magnésio, com média de cerca de 3,5 para 1.
O magnésio ajuda a manter o cálcio em suas células para que elas possam fazer o seu trabalho melhor. Em muitos aspectos, serve como versão natural e altamente eficaz dos medicamentos designados bloqueadores dos canais de cálcio, utilizados no tratamento da hipertensão arterial, angina de peito, e arritmias cardíacas.
Assim, podemos ver como o magnésio em equilíbrio com outros nutrientes torna-se fundamental para uma vida saudável.

Ainda tem dúvidas? Clique aqui e faça sua pergunta!

COMO ACABAR COM O MAU CHEIRO DAS AXILAS